Tel: 016 39415110 | E-mail: grupar-rp@hotmail.com

Estaremos de volta em breve

Estamos trabalhando para trazer um melhor conteúdo


dias

horas

minutos

segundos

Receba novidades via e-mail

Sign up e seja o primeiro a receber novidades:

Copyright © Grupo de Pacientes Reumáticos de Ribeirão Preto e Região | Powered by Blogger
Distributed By Free Blogger Templates | Design by AZMIND | Blogger Theme by NewBloggerThemes.com

quinta-feira, 2 de maio de 2013



Fisioterapia pode dar bons resultados no tratamento de problemas no joelho, diz estudo

Autoria: HILTON SEDA
09/04/2013 
Cirurgia  (a artroscopia) ou fisioterapia? Para quem sofre com algum problema nos joelhos, osteartrite ou rompimento de menisco, essa é a dúvida. E foi justamente esse o enfoque de uma reportagem do jornal Zero Hora, relatando a realização de um estudo da Escola de Medicina da Universidade de Harvard, cuja conclusão foi favorável à fisioterapia, método que, segundo os pesquisadores, pode dar bons resultados. Aliás, conforme Jeffrey Katz, professor da instituição, não existe um tratamento único e melhor: “Os resultados mostram que tanto as pessoas tratadas com fisioterapia  como com cirurgia no joelho apresentam notável melhora”.

Para explicar um pouco mais sobre o tema, o reumatologista Hilton Seda, membro da Comissão de Osteoartrite da SBR, diz que, na verdade, desde a década de 40, sabe-se que a retirada cirúrgica do menisco do joelho (meniscectomia) é capaz de determinar o aparecimento de artrose radiológica, não necessariamente sintomática, nessa articulação. Tal fato ocorre em cerca de 20% a 40% dos casos, após dez anos, diz Seda.  “A meniscectomia, portanto, aumenta o risco dessa complicação, risco que depende também de outros fatores, como predisposição e idade.”, diz ele, ressaltando que, em virtude desse conhecimento, foi estabelecido um critério para o tratamento das lesões meniscais (clínico/fisioterápico ou cirúrgico artroscópico), dependendo do padrão de gravidade da lesão.

Assim, segundo o reumatologista, não se pode afirmar que o estudo em questão é inédito, enfatizando que o valor do trabalho de Jeffrey N. Katz et al , apresentado em 2012 no Congresso do American College of Rheumatology, está no fato de ser uma investigação multicêntrica, randomizada e controlada com o expressivo número de 351 pacientes com lesão meniscal sintomática e lesões osteoartríticas, diagnosticadas  através de ressonância magnética, que foram divididos em dois grupos: 174 submetidos a meniscectomia parcial artroscópica  e 177 não operados. “As conclusões preliminares sugerem que, em ambos os grupos, houve substancial melhora do estado funcional após seis meses”, ressalta.


Tratamento 

Falando particularmente sobre os métodos de tratamento da osteoartrite, Seda explica que, em qualquer das suas localizações, jamais é feito com procedimentos isolados e sim através de um conjunto de medidas, não só farmacológicas (uso de medicamentos de ação sintomática ou de possível atuação na patogenia da doença) como não farmacológicas (educação do paciente, reuniões de grupo, etc.) onde se inclui a fisioterapia que tem papel saliente na terapêutica. É importante ressaltar, diz Seda, que cada vez mais se dá valor às medidas não farmacológicas.

Quanto à cirurgia, ele diz que praticamente não há casos em que seja recomendada de imediato. “A cirurgia só é cogitada depois que fracassam as medidas citadas acima”, esclarece. No caso de ser preciso proceder à astroscopia, Seda explica que o procedimento é uma endoscopia articular (visualização do interior da junta) realizada com o uso de um aparelho chamado artroscópio, inserido na articulação através de um pequeno corte. “É um procedimento minimamente invasivo que serve tanto para diagnóstico como para tratamento cirúrgico de determinadas patologias.”

Em relação ao que cita a reportagem do jornal Zero Hora, de que há eventualidade de o número de cirurgias realizadas no mundo seja maior do que a real necessidade, Seda afirma que, em relação a reparo de meniscos lesionados, é possível que um certo exagero ocorra.

No caso de ser prescrito um procedimento fisioterápico, Seda diz que não há uma “receita de bolo” para o método, que vai depender de cada caso: com ou sem sinais inflamatórios, presença ou não de atrofia muscular, limitação de movimentos, etc. “Um objetivo importante é o fortalecimento do quadríceps, musculatura muito importante na estabilidade do joelho”, diz Seda, ressaltando que o tempo de tratamento varia de acordo com as circunstâncias clínicas. E é importante ressaltar, diz o reumatologista, que tal tratamento deve ser conduzido por um profissional habilitado – o fisioterapeuta –, mas sempre por prescrição médica. “Também pode ser realizado por médico especialista em medicina física – o fisiatra”, esclarece.

Nenhum comentário:

Medicamentos Biológicos, agora Planos de Saúde Paga!

O GRUPAR-RP - Grupo de Apoio ao Paciente Reumático de Ribeirão Preto é uma entidade sem fins lucrativos, fundada por pessoas portadoras dos mais diversos tipos de doenças reumáticas e apoiada por médicos reumatologistas da cidade e das faculdades de medicina de Ribeirão Preto.

O Grupar-RP tem por núcleo o Grupo EncontrAR e juntos realizam o Projeto Blogueiros da Saúde.

Qualquer publicação neste blog, trará no rodape do post a fonte, com Link para o artigo ou reportagem original.

Total de visualizações de página


Nosso sempre presidente Sr José Marcos e a queridíssima enfermeira Dirce

Popular no Blog

Expediente

Expediente

Blogroll

Labels

About

Link List

Blogger templates

Blogger news

Banner

Banner

Banner

Banner

Banner

Voce conhece alguém com alguma doença Reumática.

Banner

Grupo de Apoio ao Paciente Reumático de Ribeirão Preto e Região. Tecnologia do Blogger.

Newsletter Sign up

Blog Archive

Seguidores

Blog Archive